Chapter published in:
The Portuguese Language Continuum in Africa and Brazil
Edited by Laura Álvarez López, Perpétua Gonçalves and Juanito Ornelas de Avelar
[Issues in Hispanic and Lusophone Linguistics 20] 2018
► pp. 1942
References

References

Alexandre, N.
(2018) Aquisição do português L2 em Cabo Verde: Alguns aspectos morfossintáticos do contato. In G. Antunes, M. Oliveira, & P. J. Pilar Araújo (Eds.), O português na Africa atlântica (pp. 139–164). São Paulo: Humanitas.Google Scholar
Alexandre, N., & Oliveira, M.
(2018). Caboverdiano e Português: Cotejando estruturas focalizadas. In G. Antunes, M. Oliveira, & P. J. Pilar Araújo (Eds.), O português na Africa atlântica (pp. 164–190). São Paulo: Humanitas.Google Scholar
Almeida, G. S.
(2009) Quem te viu quem lhe vê: A expressão do objeto acusativo de referência à segunda pessoa na fala de Salvador. (Unpublished master’s dissertation). Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brazil.
Avelar, J.
(2015) Sobre a emergência das construções de tópico-sujeito no português brasileiro: Mudança desencadeada por contato? In J. Avelar & L. Álvarez López (Eds.), Dinâmicas Afro-Latinas: Línguas e Histórias (pp. 127–148). Frankfurt: Peter Lang. CrossrefGoogle Scholar
Avelar, J., & Cyrino, S.
(2008) Locativos preposicionados em posição de sujeito: Uma posição contribuição das línguas Bantu à sintaxe do português brasileiro. Linguística – Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto, 3, 218–249.Google Scholar
Avelar, J., & Galves, C.
(2011) Tópico e concordância em português brasileiro e português europeu. In A. Costa, I. Falé, & P. Barbosa (Eds.), Textos Seleccionados: Actas do XXVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística (pp. 49–65). Lisbon: APL.Google Scholar
(2014) O papel das línguas africanas na emergência da gramática do português brasileiro. Linguística – Revista da ALFAL, 30(2), 239–286.Google Scholar
Baker, M.
(2003) Agreement, dislocation, and partial configurationality. In A. Carnie, H. Harley, & M. Willie (Eds.), Formal approaches to function in grammar – In honor of Eloise Jelinek (pp. 107–132). Amsterdam: John Benjamins. CrossrefGoogle Scholar
(2008) The syntax of agreement and concord. Cambridge: Cambridge University Press. CrossrefGoogle Scholar
Baxter, A.
(2009) A concordância de número. In D. Lucchesi, A. Baxter, & I. Ribeiro (Eds.), O português afro-brasileiro (pp. 269–294). Salvador: Edufba. CrossrefGoogle Scholar
Baxter, A., & Lopes, N.
(2009) O artigo definido. In D. Lucchesi, A. Baxter, & I. Ribeiro (Eds.), O português afro-brasileiro (pp. 319–330). Salvador: Edufba. CrossrefGoogle Scholar
Baxter, A., & Lucchesi, D.
(1997) A relevância dos processos de pidginização e criolização na formação da língua portuguesa no Brasil. Estudos Linguísticos e Literários, 19, 65–84.Google Scholar
Bento, C.
(2010) Contributos para uma caracterização do Luandense. (Unpublished master’s dissertation).Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal.
Bonvini, E.
(2008) Línguas africanas e português falado no Brasil. In J. L. Fiorin & M. Petter (Eds.), África no Brasil. A formação da língua portuguesa (pp. 15–62). São Paulo: Contexto.Google Scholar
Chavagne, J.-P.
(2005) La langue portugaise d’Angola. Étude des écarts par rapport à la norme euroéenne du portugais. (Unpublished doctoral dissertation). Lumière University Lyon 2, Lyon, France.
Chaves de Melo, G.
(1981) A língua do Brasil (4th ed.). Rio de Janeiro: Padrão.Google Scholar
Coelho, F. A.
(1967 [1880, 1882, 1886]) Os dialetos românicos ou neo-latinos na África, Ásia e América. Lisbon: Academia Internacional da Língua Portuguesa.Google Scholar
Costa, J.
(2010) PB e PE: Orientação para o discurso importa? Estudos da Língua(gem), 8(1), 123–143.Google Scholar
Diercks, M.
(2011) The morphosyntax of Lubukusu locative inversion and the parametrization of agree. Lingua, 121, 702–720. CrossrefGoogle Scholar
Diniz, C. R.
(2007) Eu te amo você. O redobro de pronomes clíticos sob uma abordagem minimalista. (Unpublished master’s dissertation). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brazil.
Duarte, M. E.
(1986) Variação e sintaxe: Clítico acusativo, pronome lexical e categoria vazia no português do Brasil. (Unpublished master’s dissertation). PUC-São Paulo, São Paulo, Brazil.
Figueiredo, M.
(2018). Aspectos histórico-culturais e sociolinguísticos do Libolo: Aproximações com o Brasil. In G. Antunes, M. Oliveira, & P. J. Pilar Araújo (Eds.), O português na África atlântica (pp. 47–100). São Paulo: Humanitas.Google Scholar
Figueiredo, C.
(2009) O objeto direto anafórico: A categoria vazia e o pronome lexical. In D. Lucchesi, A. Baxter, & I. Ribeiro (Eds.), O português afro-brasileiro (pp. 409–426). Salvador: Edufba.Google Scholar
Galves, C.
(1987) A sintaxe do português brasileiro. Estudos Linguisticos, 13, 31–50.Google Scholar
(2015) Evidências do contato com as línguas africanas na formação do português brasileiro: Propostas para a constituição de um corpus. In J. Avelar & L. Álvarez Lopez (Eds.), Dinâmicas Afro-Latinas: Línguas e Histórias (pp. 193–210). Frankfurt am Main: Peter Lang.Google Scholar
Galves, C.
(2017) “The role of Niger-Congo languages on the genesis of Brazilian Portuguese”. Invited talk at the 19o Diachronic Generative Syntax Colloquium. Stellenbosch University.Google Scholar
Gonçalves, P.
(2010) A Gênese do português de Moçambique. Lisbon: INCM.Google Scholar
(2013) O português em África. In E. Raposo, M. F. Bacelar do Nascimento, M. A. Coelho da Mota, L. Segura & A. Mendes (Eds.) Gramática do português (pp. 145–178). Lisbon: Fundação Calouste Gulbenkian.Google Scholar
Gonçalves, P., & Chimbutane, F.
(2004) O papel das línguas bantu na gênese do português de Moçambique: O comportamento sintático de constituintes locativos e direcionais. Papia, 14, 7–30.Google Scholar
Gonçalves, R.
(2016) Construções ditransitivas no portugués de São Tomé. (Unpublished doctoral dissertation). Universidade de Lisboa, Lisbon, Portugal.
Inverno, L. C.
(2005) Angola’s transition to vernacular Portuguese. (Unpublished master’s dissertation). Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.
(2011) Contact-induced restructuring of Portuguese morpho-syntax in interior Angola. (Unpublished doctoral dissertation). Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.
Jon-And, A.
(2011) Variação, contato e mudança linguística em Moçambique e Cabo Verde. (Unpublished doctoral dissertation). Stockholm University, Stockholm,Sweden.
Laban, M.
(1999) Mozambique: Particularités lexicales et morphosyntaxiques de l’expression littéraire en portugais. (Unpublished dissertation for accreditation to supervise research). Université Paris III, Paris, France.
Lopes, C. R. S.
(2008) Retratos da variação entre ‘você’ e ‘tu’ no português do Brasil: Sincronia e diacronia. In C. Roncarati & J. Abraçado (Eds.), Português Brasileiro II – Contato lingüístico, heterogeneidade e história (Vol. 2, pp. 55–71). Niterói: EDUFF.Google Scholar
Lucchesi, D.
(2009a) A realização do sujeito pronominal. In D. Lucchesi, A. Baxter, & I. Ribeiro (Eds.), O português afro-brasileiro (pp. 167–183). Salvador: Edufba. CrossrefGoogle Scholar
(2009b) A concordância de gênero. In D. Lucchesi, A. Baxter, & I. Ribeiro (Eds.), O português afro-brasileiro (pp. 295–318). Salvador: Edufba. CrossrefGoogle Scholar
Lucchesi, D., Baxter, A., & Alves da Silva, X.
(2009) A concordância verbal. In D. Lucchesi, A. Baxter, & I. Ribeiro (Eds.), O português afro-brasileiro (pp. 331–372). Salvador: Edufba. CrossrefGoogle Scholar
Lucchesi, D., Baxter, A., & Ribeiro, I.
(Eds.) (2009) O português afro-brasileiro. Salvador: Edufba. CrossrefGoogle Scholar
Lucchesi, D., & Mello, C.
(2009) A alternância dativa. In D. Lucchesi, A. Baxter, & I. Ribeiro (Eds.), O português afro-brasileiro (pp. 427–456). Salvador: Edufba. CrossrefGoogle Scholar
Mendonça, R.
(1935) A influência africana no português do Brasil (6th ed., 2012). Brasilia: Fundação Alexandre de Gusmão.Google Scholar
Mioto, C., & Kato, M.
(2005) As interrogativas Q do português europeu e do português brasileiro atuais. Revista da Abralin, 4, 171–196.Google Scholar
Mufwene, S.
(2001) The ecology of language evolution. Cambridge: Cambridge University Press. CrossrefGoogle Scholar
Naro, A., & Scherre M.
(2007) Origens do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial.Google Scholar
Oliveira, K.
(2003) Textos escritos por africanos e afro-descendentes na Bahia do século XIX: Fontes do nosso ‘latim vulgar’? (Unpublished master’s dissertation). Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brazil.
(2006) Negros e escrita no Brasil do século XIX: Sócio-história, edição filológica de documentos e estudo lingüístico. (Unpublished doctoral dissertation). Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brazil.
Oliveira, M., Baio, J. P., & Injaí, B.
(2013) A inserção do contínuo português guineense nas variedades africanas de português. Todas as Letras – Revista de Língua e Literatura, 15(1), 130–137.Google Scholar
Oliveira Silva, D. A.
(2011) Expressão pronominal do acusativo e do dativo na Segunda pessoa no português brasileiro: Análise de roteiros cinematográficos. (Unpublished master’s dissertation).Universität Tübingen, Tübingen, Germany.
Peres, J.
(2013) Semântica do sintagma nominal. In E. Raposo, M. F. Bacelar do Nascimento, M. A. Coelho da Mota, L. Segura & A. Mendes (Eds.), Gramática do português (pp. 735–818). Lisbon: Fundação Calouste Gulbenkian.Google Scholar
Petter, M.
(2009) O continuum afro-brasileiro do português. In C. Galves, H. Garmes, & F. Rosa Ribeiro (Eds.), África-Brasil: Caminhos da língua portuguesa (pp. 158–173). Campinas: Editora da Unicamp.Google Scholar
Pimienta, P.
( 2013) La segunda persona de singular en el portugués de Rio de Janeiro: Variación en la relación gramatical de Objeto Directo. (Unpublished master’s dissertation). Universidad de Guadalajara, Guadalajara, Mexico.
Pires de Oliveira, R., & Rothstein, S.
(2013) Bare singular arguments in Brazilian Portuguese: Perfectivity, telicity, and kinds. In J. Kabatek & A. Wall (Eds.), New perspectives on bare noun phrases in Romance and beyond (pp. 189–222). Amsterdam: John Benjamins. CrossrefGoogle Scholar
Pontes, E.
(1981) O tópico no português do Brasil. Campinas: Editora Pontes.Google Scholar
Ribeiro, I., & Cortes Jr. M.
(2009) As construções pseudo-clivadas e clivadas. In D. Lucchesi, A. Baxter, & I. Ribeiro (Eds.), O português afro-brasileiro (pp. 209–230). Salvador: Edufba. CrossrefGoogle Scholar
Scher, A. P.
(1996) As construções com dois complementos no inglês e no português do Brasil: Um estudo sintático-comparativo. (Unpublished master’s dissertation). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brazil.
Schmitt, C., & Munn, A.
(2003) The syntax and semantics of bare arguments in Brazilian Portuguese. Linguistic Variation Yearbook, 2(1), 185–216. CrossrefGoogle Scholar
Simango, S.
(2007) Enlarged arguments in Bantu: Evidence from Chichewa. Lingua, 117, 928–949. CrossrefGoogle Scholar
Souza C.
(2014) Eu te amo, eu lhe adoro, eu quero você: A variação das formas de acusativo de 2ª pessoa em cartas pessoais (1880–1980). (Unpublished master’s dissertation). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil.
Tavares, A. P., & Madeira Santos, C.
(2002) Africae Monumenta A apropriação da escrita pelos africanos. Arquivo Caculo Cacahenda, Vol. I. Lisbon: Instituto de Investigação Científica Tropical.Google Scholar
Torres Morais, M. A., & Salles, H. M. M. L.
(2010) Parametric change in the grammatical encoding of indirect objects in Brazilian Portuguese. Probus, 22, 181–209.Google Scholar
Vieira, S., & Brandão, S.
(2014) Tipologia de regras linguísticas e estatuto das variedades/línguas: A concordância em português. Linguística 30(2), 81–112.Google Scholar
Cited by

Cited by other publications

Galves, Charlotte
2019.  In The Determinants of Diachronic Stability [Linguistik Aktuell/Linguistics Today, 254],  pp. 191 ff. Crossref logo

This list is based on CrossRef data as of 01 january 2021. Please note that it may not be complete. Sources presented here have been supplied by the respective publishers. Any errors therein should be reported to them.